Loading...
Dossie_CQM Created with Sketch.

Dossiês recentes

Dossiê

Meu corpo, suas regras

Mussum Ipsum, cacilds vidis litro abertis. Copo furadis é disculpa de bebadis, arcu quam euismod magna. Posuere libero varius. Nullam a nisl ut ante blandit hendrerit. Aenean sit amet nisi. Praesent vel viverra nisi. Mauris aliquet nunc non turpis scelerisque, eget. Paisis, filhis, espiritis santis. Nec orci ornare consequat. Praesent lacinia ultrices consectetur. Sed non […]

Capítulo 0

As diferenças no discurso de homens e mulheres sobre o aborto

O debate sobre a descriminalização do aborto esquentou no Brasil e é claro que o tema invadiu as redes sociais. Para descobrir o que o pessoal anda falando sobre o assunto, exploramos as redes no período em que antecedeu as audiências públicas realizadas no STF no dia 7 de agosto, e revelamos uma discussão extremamente polarizada e marcada por homens se posicionando mais sobre a questão que as mulheres.

A maioria é contra a descriminalização do aborto

 

Esse resultado é semelhante ao da sociedade brasileira como um todo. Como mostrou a pesquisa de 2017 do Datafolha sobre o tema, na qual o índice de pessoas contrárias foi de 57%.

Excluindo as menções neutras, que se devem basicamente às notícias e piadas, e considerando apenas os comentários com posicionamento.

Quem fala não é necessariamente quem faz

 

Homens são os que mais falam sobre o tema nas redes, com mais de 60% das menções, mesmo sendo uma causa muito mais ligada às mulheres.

A diferença entre o que homens e mulheres falam sobre aborto

 

Além de falar mais, os homens são mais contrários à descriminalização do aborto do que as mulheres.

Exemplos de menções

(Favoráveis, neutras e negativas)

Clique na imagem abaixo ou arraste para o lado para ver os outros exemplos

Uma questão de opinião

 

Tanto entre os homens quanto entre as mulheres, a maior parte das menções são opiniões, com mais de 50% do total, seguidas pelos compartilhamentos. 

Mesma forma, diferentes conteúdos

 

Se a divisão por tipos é parecida, quando olhamos os posicionamentos, a história muda. Fica clara a prevalência de menções contrárias nas opiniões, compartilhamentos e relatos entre os homens, o que não ocorre ao analisar o gráfico entre as mulheres, em que o equilíbrio de posicionamentos é maior, já que o cenário é de quase empate técnico entre as menções favoráveis e contrárias. Os comentários sem posicionamento se concentram principalmente nas notícias e piadas.

Cerca de 416.000 brasileiras abortaram em 2015.
Fonte: Humam Rights Watch.

Nuvens de termos

 

A cor das nuvens de termos nos revela o sentimento em relação ao tema. Menções contrárias à descriminalização são vermelhas, as neutras são amarelas e as favoráveis, verdes.

Influenciadores

Quem é quem no debate?

 

A separação entre os maiores influenciadores a favor e contra a descriminalização do aborto mostra bem quem são os representantes de cada grupo e como o debate aqui no Brasil tem um claro viés ideológico.

A cada dois dias, uma brasileira pobre morre vítima do aborto inseguro.
Fonte: Ministério da Saúde.

 

Nos dias 13 e 14 de julho, registramos pelo grande percentual de comentários contrários ao aborto, impulsionados pelo suposto repasse do governo para a ONG Católicas pelo Direito de Decidir. A história era falsa mas causou bastante repercussão nas redes sociais.

Acordou ou chegou no trabalho, começa o buzz nas redes: é entre 10h e 0h que o assunto é mais intensamente debatido.

Sudeste é a região com o maior número de menções – destaque para o Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. O assunto também é bastante comentado no Pará, no Ceará, em Pernambuco, no Distrito Federal e no Rio Grande do Sul.

Metodologia

 

Período analisado: 13 de julho a 22 de julho.

Total captado: 43.783 menções.

Tema pesquisado: monitoramento realizado a partir de termos relacionados ao aborto, postados de maneira espontânea nas redes, dentro do período analisado.

Ambiente de análise: foram analisadas as redes Twitter e Instagram, além de páginas do Facebook, de blogs e comentários de sites da internet.
Os dados de postagens pessoais no Facebook não são públicos.

Métricas selecionadas: número de menções, mapas de calor e nuvens dos termos mais citados no universo da busca.

Taxonomia e categorização: tipos de menções (opinião, compartilhamento, relato, notícia e piada).

Dados: primários e secundários.

Créditos

Coordenação-geral: Bia Pereira
Supervisão: Ana Cristina Gonçalves, Karla Mendes e Paula Santamaria
Direção de criação: Átila Francucci
Capa, projeto gráfico: Henrique Castro
Redatores: Lucas Quinelato, Marcelo Nascimento e Rodrigo Camargo
Planejamento: Bia Pereira e Rodrigo Camargo
Atendimento: Joana Araújo
Monitoramento: Lucas Quinelato, Marcelo Nascimento, Rodrigo Camargo
Análise: Lucas Quinelato, Marcelo Nascimento e Rodrigo Camargo
Produção digital: João Paulo Oliveira
Revisão: Ricardo Milesi
Realização: nova/sb
Levantamento encomendado pelo jornal O Globo.